sábado, 23 de fevereiro de 2013

Meio Emma...

 
 
Você é linda, sua velha rabugenta, e se eu pudesse
te dar um só presente
para o resto da sua vida seria este.
Confiança.
Seria o presente da Confiança.
Ou isso ou uma vela perfumada.
(Um dia-David Nicholls)
 
 
Esta semana foi uma tipica semana, em que eu não estava me sentindo muito bem. Devia ser uma mistura de tudo como tédio, nostalgia, tristeza de final de férias, um pouco de pessimismo e ironia. É nesses momentos, como em tantos outros que recorro á uma amiga que já está em minha vida há muito tempo, muito tempo mesmo, posso dizer que até tenho orgulho de possuir uma amizade assim, porque sei o quanto ela me conhece, e bom, de fato também a conheço muito bem, somos parecidas de diversas formas, até nossos problemas são um tanto iguais.
Somos daquele tipo de amigas que fala de tudo, e como nerds, sempre incluimos em nossas conversas livros, filmes, séries, e trechos que encontramos por ai. De um tempo para cá eu a estava chamando e Emma Morley, uma das protagonista do livro "Um dia", de David Nicholls, li esse livro em Outubro do ano passado. A estória é interessante por se tratar da vida de duas pessoas, só que sempre em um dia do ano, na data em que ambos se conheceram, Dexter e Emma. Gostei de lê-lo, não é um dos meus livros favoritos, mas me identifiquei um pouco com a personagem de Emma sobre suas caracteristicas intelectuais, sempre em defesa de suas morais, com uma visão crítica sobre mundo, e com uma certeza marcante no que diz, e sobre a própria personalidade. Sei que esse jeito em alguém pode até ser meio chatinho as vezes, mas acreditem, nem mesmo a gente percebe que é assim, é muito natural.
Comecei a brincar com minha amiga, fazendo essas ligações, porque nós duas também sonhamos em ser escritoras, viver disso, conhecer o mundo,e também possuimos esse jeitinho Morley. Em alguns aspectos com o livro, jamais teriamos tido algumas atitudes que Emma teve, mas na questão de começar sua vida de indepedencia com o pé esquerdo, bom, nisso estamos craques no momentos, só falta mesmo começarmos trabalhar em um restaurante de comida gordurosa, e acreditem, como a personagem também nos engajamos em um pequeno momento teatral. Quando vem essa maré de micos, momentos deprimentes, ou mesmo frustrantes, falo pra ela que estamos na fase em que Emma também esta tentando dar um jeito em sua vida. Então, nessa semana em que estava daquele jeito de não querer sair de cama, e tão pouco passar um delineador pra ver se eu me animava, nós conversamos através de mensagens, e como ela agora esta lendo o livro, ela me mandou de volta esse trecho de Dexter para Emma, com o qual comecei essa postagem. Nós sempre tentamos dar um pouco de confiança uma para outra, mesmo quando o assunto em questão é muito bobo. Confiança é a chave para muitas coisas, é o que precisamos quando o mundo é pesado em nossas cabeças, e quando o que somos parece andar contra a corrente do resto das pessoas. Confiança, coragem, e alguém que te lembre do que é capaz, quando algo nebuloso já te engoliu para baixo.Confiança, e um pouco de inspiração para escrever, e a levesa da poesia para te aliviar os pensamentos. Confiança e uma boa amizade.
Torço para que logo as coisas estejam mais animadas do que agora, para que um dia estejamos em Paris, e bem de fato com alguém. Só não quero um final como o de Emma, ela se deu bem, mas teve um porém, se alguém aqui leu ou assistiu o filme vai me entender. De resto que possamos alcançar certo sucesso, independente do que estejamos fazendo daqui á 10 ou 20 anos!
 
Natalia Cayres

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte o seu lado da História!