domingo, 14 de outubro de 2012

Por favor, não releve nada que foi escrito aqui!


image
Eu estava decidida a fugir de qualquer pensamento que me motivasse escrever sobre o amor. Eu estava me sentindo hipócrita em dissertar palavras que se ligassem a esse tipo de sentimento, ou mesmo que se relacionasse com paixão, apresso e até certa ternura. Firmei esse objetivo em minha mente, e toda vez que algo em mim ameaçava me levar para esses lados, procurava outro caminho, o mais racional, aquele que me mantivesse acordada e em constante vigilância. Eu só queria um tempo, indeterminado, em que eu pudesse dar passos sem ficar desarmada e totalmente tola por algo deste gênero.
Mas como sempre a vida me contraria, e fez com que os meus olhos alcançassem você. Tentei desviar este fluxo, repetindo como um mantra que não passava de uma simples atração, muito natural, muito comum, absolutamente nada demais. Meu estômago se contraiu quando percebi que estava sendo puxada como imã para o seu olhar- alguém com certeza já lhe disse que seus olhos são lindos- depois minha cabeça girou loucamente quando me deparei com seu sorriso-tão largo e tão extenso,me puxando, me embebedando, com certeza também lhe disseram que você possui um sorriso cativante- todas essas pequenas coisas me afetando numa grandiosidade que você nunca poderia medir.Então comecei a escrever todas essas coisas, desde o momento estável de minha racionalidade, até o momento em que eu não sabia de mais nada, e talvez aqui entrelinhas eu encontrasse o caminho de volta para qualquer lugar que me tirasse essa paralisia. Não chamo isso de amor, e tão pouco ouso dizer paixão, você mesmo a sua maneira me deixa em duvida e sem ação. Mas após toda essa cena, percebo que nunca seremos capazes de controlar a atração arrebatadora que alguém pode exercer em nós. Agora me sinto mais tola do que nunca, totalmente infantil, e talvez você também nunca se dê ao trabalho de tentar entender isso. Não espero, e nem quero que essas palavras o alcance, porque percebo que elas se tratam mais de mim, do que de você. Por favor, não releve nada que foi escrito aqui!

Nathy Cayres

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte o seu lado da História!