sábado, 25 de agosto de 2012

Alento



Bate o vento na janela de vidro,
fazendo barulho com o movimento.
Lá fora os galhos das árvores balançam,
Ouve-se vários sons,
Alguns diferentes outros comuns.
O vento permanece varrendo tudo,
Levando folhas secas,
levando areia
apagando pegadas.
Silêncio...
Não se ouve voz,
É só o vento.
Há um cheiro confortante no ar,
A chuva cai, e tudo se esvai!
Enfim meu alento.

Nathy Cayres

Um comentário:

  1. Oi Natty *-*
    Adorei o poema.
    Tão simples e tão lindo.
    Tô precisando de uma chuva assim que leve tudo embora e deixe apenas um coração renovado.

    Beijos da Lua =*
    www.tyciahadi.blogspot.com

    ResponderExcluir

Conte o seu lado da História!