sábado, 28 de maio de 2011

Love, love...

Eu estava dando uma olhadinha em algumas comunidades no orkut antes de ir dormir, e encontrei algo assim:

"Ah o amor ... que nasce não sei onde, vem não sei como e dói não sei porque..."
Carlos Drummond de Andrade


O amor é algo inesperado, ou talvez algo que alguém anseia por viver! Na verdade definir o amor  não é algo que podemos fazer de maneira tão concreta. Todos nós sabemos o quanto esse sentimento pode ser tão grande dentro de nós, o quanto ele pode tirar o ar e também te levar as alturas, enchendo seu estômago de borboletas, dando brilho aos olhos e nos fornecendo um sorriso radiante.
O amor deixa  a gente boba, o amor mexe com a visão. Pode doer, mas quem não se arrisca, ou se defende dele por medo, acaba perdendo algo que pode ser tão intenso na vida.
Sabemos do risco, sabemos do quanto pode doer, mas também sabemos o quanto pode fazer bem, e o quanto podemos nos sentir abençoados se de repente, quando não tinhamos muito esperança em tal devaneio, ele nos pega de jeito e enche nossos dias de momentos doces!


2 comentários:

  1. "mas quem não se arrisca, ou se defende dele por medo, acaba perdendo algo que pode ser tão intenso na vida."
    Sim,algo intenso e pra sempre se regarmos a cada dia,imagina deixar o amor,o relacionamento virar pão com manteiga?(algo rotineiro) sem nos diferenciarmos nas atitudes,nas palavras... Semeando da mesma forma quando tudo começou! O amor só vai embora quando cansamos de regar,ai perde o sentido.
    Lindo post viu?
    Beijo enorme pra ti,Flor!

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo o texto...
    Amor algo que faz muito bem as pessoas quando correspondido...Quando recíproco e sincero...
    Adoro Carlos Drummond de Andrade...E esses versos acima também foram citados por Camões...

    Beijos
    =*

    ResponderExcluir

Conte o seu lado da História!