sábado, 30 de abril de 2011

Na chuva ao fim da Tarde

Ela tinha um jeito doce de falar, de agir, de ser...
Ele, oh Deus, ele andava por ai meio desiludido, ignorando as coisas a sua volta, sempre se ligando no automático, e em respostas prontas!
Ela ainda era meio insegura, timida, e um tanto medrosa, mas isso só a tornava mais meiga aos olhos.
Um dia, uma fração de segundos, e ele se sentiu desarmado ao olhar para aqueles olhos do outro lado do metrô.
Porque ele não conseguia tirar os olhos dela? Porque? 
Estava chovendo la fora, uma chuva que parecia que iria durar a tarde inteira, e quem sabe se estender até a noite, a garota havia colocado a sombrinha florida ao lado dela no banco, e olha vagamente para fora, tudo nublado, tudo distorcido pelas gotas na janela.
Ele não tinha trazido um guarda chuva, estava usando um sobretudo que parecia ja ter encarado a chuva minutos antes, o frio estava  alojado naquele tecido. O garoto estava tremendo, até cruzar com aqueles olhos tão distantes, agora seu rosto parecia queimar, ignorando o fato de que seu cabelo estava encharcado. Ninguém havia sentado do lado dele,  mas ela também estava solitária naquela viagem curta até a ultima estação. Estava mais seca que ele, apenas os cabelos um tanto bagunçados devido ao vento que arrastava a chuva junto com ele, cabelos castanhos um tanto ondulados.
As portas se abrem, ele sentiu como se a viagem tivesse sido mais rápida do que o normal. A garota se levanta, e sai apressada com a multidão, esquecendo a sombrinha no banco. Percebendo isso ele pega a sombrinha e sai como louco na multidão, olhando para todos os lados, tentando identifica-la nos vários rostos que passavam diante de seus olhos. As pessoas esbarravam nele, olhavam inexpressivas, e a chuva ainda caia, fria, e contínua. "Ela vai se molhar" ele pensava. 
Então saiu em disparada para os pontos de ônibus na estação, e mais uma vez a chuva caia em cima de si, e encharcava seu sobretudo. De repente alguém tocou seu ombro, ele se virou rapidamente, e se deparou com a garota, que o cativara la dentro, agora ela estava se molhando também.
---Vi que você estava com a minha sombrinha! Estava la no ponto,e vim ao seu encontro!
O rosto dele começou a queimar novamente.
---Eu estava te procurando para devolver.
Ela sorriu, seus cabelos agora totalmente molhados.
---Eu percebi.---Ela respondeu, e pegou a sombrinha, abrindo-a  refugiando os dois debaixo dela.
Ele sentiu que não estava mais no automático, e que agora não conseguia dizer as coisas como queria naquele momento. E ela não sabia se estava procurando, mas sentiu que tinha acabado de encontrar, algo bom e que a fazia sorrir  nos olhos dele.
E ninguém mais ligava para a chuva!

(Nathy Cayres)

2 comentários:

  1. Ahh,que Lindoo!!
    e talvez a chuva fez com que ela sentisse todo o encanto do momento! :)
    Adorei Nathy
    Beijos e ótimo find pra ti!!

    ResponderExcluir
  2. Ahhh que lindo *-*
    A perfeição com que você descreveu os detalhes...
    Muito fofo mesmo *-*
    Adorei...

    Beijos =*

    ResponderExcluir

Conte o seu lado da História!